#distrair6: Seis mulheres que mudaram o mundo da música!

Oi, tudo bem com você? Espero que sim!😉

un womens day

Reprodução: www. UN. org

Esta semana é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Há cerca de um ano eu fiz um post onde explicava o porquê de a ONU (Organização das Nações Unidas) ter escolhido o oito de março para essa data. Já que o motivo tem a ver com a indústria da moda, fiz em 2015 uma lista com 6 mulheres que revolucionaram o mundo da moda. Deêm uma olhada depois e entendam todos os significados desse período!

Confira aqui: 6 mulheres que revolucionaram o mundo da moda!

Este ano, lembrando daquele post, reuni 6 mulheres que mudaram o mundo da música com seus trabalhos. Essa indústria, majoritariamente comandada por homens, recebe a contribuição de mulheres que influenciam gerações e lutam muito para serem respeitadas no meio. Por isso não deixe de prestar atenção a cada uma das artistas a seguir, afinal 8 de março não é uma data para flores e chocolates apenas, mas sobretudo para reflexão.

Nina Simone:

nina simone.jpg

Provavelmente você ouviu falar sobre a Nina nos últimos meses, seja por conta do documentário na Netflix (What Happened, Miss Simone? / 2015) ou mais recentemente pelas polêmicas do filme biográfico “Nina” dirigido por Robert L. Johnson. Para alguém ser tão homenageada assim – ainda que essa homenagem falhe né, Robert? – só poder ser por uma boa razão.

Nascida Eunice Wayomon em 1933, Nina Simone é um dos grandes nomes do Jazz. Sucesso na década de 60, em que os movimentos pelos direitos civis eram fortes nos EUA, ela usou sua música para apoiar o movimento negro dali, afinal, como ela mesma dizia, não há como ser artista sem refletir seu tempo.

Nina foi uma artista que conheceu os dois lados da moeda da fama: foi do sucesso ao esquecimento. Teve sua trajetória marcada por situações conturbadas, tanto dentro como fora de casa. Dentro, foi vítima de violência doméstica. Já fora, tinha o racismo como empecilho. Foi no palco onde ela encontrou a liberdade que lhe era negada nos outros espaços.

Sendo assim, é importante que ela seja relembrada, pois ainda que a muito custo, Nina Simone foi capaz de romper barreiras.

+ Nina: 

Diana Ross:

face-diana-ross-hd-wallpapers

Do sonho de trabalhar com moda para a grande estrela que se tornou. Diana Ross esteve nas paradas e nos cartazes do cinema da década de 70.

Enquanto crescia, ela sonhava em ser fashion designer, mas depois de começar a cantar chamou a atenção de Milton Jenkins, produtor musical, entrou de vez no ramo musical com o trio The Primettes. Anos mais tarde, na gravadora Motown Records, tornou-se líder do The Supremes, grupo bem sucedido da década de 60.

Seu talento se destacou tanto que o trio terminou e nos anos 70 Diana seguiu carreira solo. Esse evento inspirou até um filme, o DreamGirls: Em busca de um sonho” (2006). Com o passar do tempo, ela se consagrou como uma grande artista, com mais de 100 milhões de discos vendidos, 67 álbuns gravados, e dois prêmios importantíssimos por suas atuações em Lady Sings the Blues” (1972) e “An Evening with Diana Ross“ (1997) – um Grammy Award e um Tony Award. Tantos feitos lhe renderam o título de “Female Entertainer of the Century” ( Entertainer Feminina do Século) pela Billboard.

+ Diana:

Madonna:

big_thumb_5459678c4dd67a9bff7dd1d559a951b1

Madonna abriu portas para um novo jeito de fazer música. Na década de 80, ela chocou o mundo com suas canções, tratando de temas polêmicos, como em “Papa Don’t Preach”, em que fala sobre a gravidez na adolescência. Além disso, suas grandes perfomances e inovações quanto aos videoclipes lhe tornou referência para artistas que lhe sucederam, ao exemplo das Spice Girls, da Mariah Carey e da Jennifer Lopez.

Saber tratar dos negócios, construir uma imagem equilibrada entre o positivo e o negativo e renovar-se constantemente são com certeza os motivos para mesmo depois de 30 anos de carreira, Madonna continuar em alta na indústria musical. Na carreira, a cantora percorreu por diversos estilos musicais, do Gospel ao Disco, do Rock ao Hip Hop, atraindo a atenção de diferentes públicos. Por conta de tudo isso, ela consagrou-se como diva da música Pop.

+Madonna:

Ms. Lauryn Hill:

5.0.3

Quem já assistiu ao musical “Mudança de Hábito” (1992), com a Whoopi Goldberg, com certeza já ouviu a Mrs. Hill, um dos maiores nomes do Hip Hop e do R&B. Contudo, Lauryn é muito mais que isso.

Nova-iorquina, desenvolveu cedo o interesse pela música. Com o trio The Fugees, em que era vocalista desde a adolescência, Lauryn Hill começou a fazer sucesso, que diga-se de passagem foi estrondoso. Depois de quase se separarem, o grupo vendeu 17 milhões de cópias e ganhou 2 Grammys em 1995: Melhor Álbum de Rap e Melhor Apresentação de R&B.

anigif_enhanced-buzz-26972-1384459440-2

Três anos depois, Hill lançou o álbum “The Miseducation of Lauryn Hill”, sua marca no mundo da música. Foi ele o primeiro álbum de Hip Hop a ganhar um Grammy de Melhor Álbum do Ano – fora outras quatro de dez indicações, onde o pioneirismo de Hill para letras mais conscientes no Hip Hop foi mostrado e que também transcendeu o próprio Hip Hop e o R&B, influenciando músicos como Kendrick Lamar, Beyoncé e John Legend. Uma verdadeira revolução!

+Ms. Hill:

Beyoncé:

beyonce_wallpaper_2_by_catsya

Impossível eu escrever esse post sem falar da Bey. Amo de verdade!

De “Houston, Texas, baby”, Beyoncé trilhou o sucesso desde cedo: aos 7 anos foi vencedora de uma competição musical em sua cidade natal cantando “Imagine” de John Lennon. Mais velha participou da girlband Girls’ TYME, a qual evoluiu até o famoso grupo Destiny’s Child, onde a Queen B permaneceu até 2004 ao lado de Kelly Rowland e Michelle Williams. O trio não só vendeu 9 milhões de cópias como cantam na letra de “Survivor”, mas na verdade 50 milhões de discos.

Com o término da consagrada girlband ela engrenou na carreira solo ao lançar “Crazy In Love”, em parceria do rapper Jay-Z. Daí até hoje são ao todo cinco álbuns, com o sexto a ser lançado.

Atualmente Beyoncé é considerada uma das maiores cantoras da atualidade – se não a maior (#fangirl detected), com uma carreira sólida ao redor do mundo, a qual ela mesma comanda com uma verdadeira Independent Woman. Nos últimos anos ela tem chamado ainda mais atenção por evidenciar nas suas letras questões sobre empoderamento feminino. E ah, não vamos esquecer que já esse ano, Beyoncé estremeceu o mundo com o novo hit, “Formation”. Simplesmente rainha!

Confira aqui o estremecer de Formation: #celebrar2: Beyoncé, AFROntamento e Representatividade!

Taylor Swift:

taylor swift.jpg

Não sou uma das maiores fãs da Taylor, mas verdade seja dita: a moça sabe muito bem o que faz! Do sucesso no Country ao estouro no Pop, ela percorreu um caminho de aprendizados que a colocam atualmente como uma das mulheres mais fortes na indústria fonográfica.

A cantora, que tem somente 26 anos, é colecionadora de recordes. Em 2009, Swift tornou-se a artista mais jovem e uma das únicas seis mulheres a ser nomeada Entertainer of the Year pela Country Music Association. Já este ano ela foi a primeira mulher a ser ganhadora de dois Grammys por “Melhor Álbum”, um em 2010 com o álbum “Fearless” e outro agora em 2016 com o álbum “1989”.

200_s

“Vão existir pessoas pelo seu caminho que tentarão rebaixar o seu sucesso.” Taylor Swift no Grammy 2016.

Fortalecendo-se no mundo masculino que é a indústria musical, Taylor tem cada vez mais colocado pensamentos feministas à mesa, por mais que de vez em quando ela cometa alguns deslizes quanto a isso, mas todo processo de desconstrução de antigos valores é assim. O importante disso é que ao mostrar não ser perfeita, T-Swift convida mais fãs a juntarem-se a ela e colocarem o feminismo como pauta em suas vidas.

Por falar em fãs, Taylor tem uma interação bastante forte com eles, chamados swifties, se utilizando das redes sociais para isso, sobretudo o Twitter. Essa é uma das razões pela qual seu nome se popularizou e garante aparecer muito mais daqui para frente.

+Taylor:

Aviso: para o post não ficar longo demais, confira a playlist dessas artistas neste outro post!

Maravilhosas, não é mesmo? Já conhecia a história de cada uma dessas artistas? O que você gostou de aprender sobre elas? Deixe sua opinião nos comentários! Também compartilhe o texto nas suas redes sociais! Para não perder nenhuma das novidades a seguir siga o blog pelas redes, ok? Um abraço e até mais!

               FACEBOOK| INSTAGRAM | INSTAGRAM 
                 TWITTER | PINTEREST | YOUTUBE 

quem sou mari gomes autor

2 comentários sobre “#distrair6: Seis mulheres que mudaram o mundo da música!

  1. Pingback: #empoderar12: 6 mulheres negras da nossa história: Aqualtune, Dandara, Tereza de Benguela, Luíza Mahin, Carolina Maria de Jesus e Lélia Gonzalez. | Maia Vox

  2. Pingback: #empoderar10: Gostar de uma cantora negra não te faz menos racista! | Maia Vox

Hey! Qual a sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s