0

Trilha sonora dos últimos dois meses!

Oi, tudo bem com você? Eu espero que sim! 😉

Já comentei por aqui que um dos meus maiores sonhos era me mudar de Aracaju para Salvador e estudar jornalismo. Já contei também que consegui realizá-lo. Na verdade estou realizando. Lembro que nos últimos dias estudando para o ENEM a música que mais me motivava era “Carranca” da Vivendo do Ócio. Apesar de meu barco não ter subido o rio São Francisco como na canção, ele aportou bem onde eu queria. E com esses versos comecei minha aventura por Salvador.

Continuar lendo

2

#distrair12: Playlist “O que ouvi nos últimos meses”!

Oi, gente! Tudo bem com vocês? Eu espero que sim! 😉

promo playlist.png

Depois de uma semana sumida aqui no blog, atualizando apenas o Maia Vox TV (Conheça o canal aqui!), as programações estão voltando ao normal! Posts todas segundas, quartas e sextas para distrair, empoderar e celebrar. 😉

Últimos vídeos do canal:

Para acertar os eixos compartilho agora com vocês uma playlist com algumas das músicas que mais gostei durante este ano. Nem todas elas foram lançadas agora em 2016, mas conheci por agora e marcaram alguns pensares e sensações.

Fiquem agora com Tássia Reis, Rihanna, Ybeyi, Rico Dalasam, Alicia Keys e Liniker!

Sobre se despreocupar e seguir fazendo o que acredita: Desapegada – Tássia Reis!

Me aprumo em qualquer nota
Assumo minhas derrotas
E sumo, no mundo

Sobre escrevermos nosso destino: Consideration – Rihanna ft. SZA!

Eu tenho que fazer as coisas da minha maneira, querido
Será que você vai me deixar?

Sobre amores e novos rumos: Stranger/Lover – Ibeyi!

Pelos velhos jogos que jogamos
Nós já pagamos

Post relacionado: Se Lemonade fosse gravado no Brasil!

Para ter orgulho de quem se é: Paz, Coroas e Tronos – Rico Dalasam!

Mocinhos sim precisam de dublê
Nós, vilões, somos o que tiver que ser

Para celebrar as individualidades: In Common – Alicia Keys!

Nós temos muita coisa em comum
Se sou honesta com você

Mais soul, por favor: Sem nome, mas com endereço – Liniker!

Você tem flores na cabeça
E pétalas no coração

Post relacionado: Playlist 6 canções preferidas de 2015!

E aí, curtiu a playlist? Quais as músicas que você vem escutando? Deixe nos comentários! Também não deixe de compartilhar nas redes sociais e apresentar essas canções para xs amigxs! Um abraço e até quarta-feira, onde discutiremos sobre sororidade e recortes. Até mais! 😉

              FACEBOOK| INSTAGRAM | INSTAGRAM 
                 TWITTER | PINTEREST | YOUTUBE 

quem sou mari gomes autor

0

#distrair9: Playlist 3 cantoras 6 covers!

Oi, tudo bem com você? Espero que sim! 😉

Quem não curte uma playlist, né verdade? Aquela seleção de músicas que faz a trilha sonora dos nossos dias. ❤ Melhor ainda é conhecer novas vozes! Portanto, para começar bem a semana indicarei hoje três cantoras que através da internet encantam os ouvintes e os conquistam como fãs. Prepare-se para renovar sua lista de canções!

Mas  ah, tenho alguns avisos antes de tudo:

Primeiro, desculpe-me pelos atrasos nos post aqui no blog. Não consegui dar conta na última semana e ficou faltando postar o #celebrar8, mas nos próximos dias esse texto estará aqui.

Segundo, já saiu o meu primeiro post na coluna quinzenal do Escrevendo Sozinho. Dê depois uma olhada porque o texto foi cheio de amor e verdades. 😉

Agora sim, vamos ao assunto do dia!

IZA: A Isa Lima é carioca e começou a cantar depois do incentivo de algumas pessoas no antigo trabalho.  Hoje em dia ela atualiza um canal do youtube com covers de músicas do momento, principalmente de R&B, e a cada vídeo a moça supera-se em maravilhosidade.

XO – Beyoncé

FourFiveSeconds – Rihanna/ Kanye West/ Paul McCartney

Nina Oliveira: Não sei de verdade como cheguei até a Nina, mas sei que foi uma descoberta linda! A voz dela é sublime! Pela página no facebook Nina interage bastante com os internautas, postando toda semana vários covers e até mesmo canções próprias. E ainda bem! Porque depois da primeira vez que a escutamos é impossível não querer ouví-la de novo. Continuar lendo

2

Playlist 6 mulheres que mudaram o mundo da música!

Continuando o post #distrair6: Seis mulheres que mudaram o mundo da música!, aqui está a playlist com as artistas apresentadas no texto passado. Divirta-se!

8 de março não é uma data para flores e chocolates apenas, mas sobretudo para reflexão. Conheça agora 6 mulheres que transformaram para sempre o mundo da música! #distrair6: Seis mulheres que mudaram o mundo da música!

detaque 6 mulheres musica

Nina Simone – Feelin’ Good:

Diana Ross – Ain’t No Mountain High Enough:

Papa Don’t Preach – Madonna:

Doo-Wop (That Thing) – Ms. Lauryn Hill:

Beyoncé (Destiny’s Child)–  Survivor:

Taylor Swift – Bad Blood:

Espero que tenham gostado! Não deixe de compartilhar com seus amigos e acompanhar o blog pelas redes sociais!

Confira aqui a Playlist “Girl Power”!

              FACEBOOK| INSTAGRAM | INSTAGRAM 
                 TWITTER | PINTEREST | YOUTUBE 

quem sou mari gomes autor

2

#distrair6: Seis mulheres que mudaram o mundo da música!

Oi, tudo bem com você? Espero que sim! 😉

un womens day

Reprodução: www. UN. org

Esta semana é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Há cerca de um ano eu fiz um post onde explicava o porquê de a ONU (Organização das Nações Unidas) ter escolhido o oito de março para essa data. Já que o motivo tem a ver com a indústria da moda, fiz em 2015 uma lista com 6 mulheres que revolucionaram o mundo da moda. Deêm uma olhada depois e entendam todos os significados desse período!

Confira aqui: 6 mulheres que revolucionaram o mundo da moda!

Este ano, lembrando daquele post, reuni 6 mulheres que mudaram o mundo da música com seus trabalhos. Essa indústria, majoritariamente comandada por homens, recebe a contribuição de mulheres que influenciam gerações e lutam muito para serem respeitadas no meio. Por isso não deixe de prestar atenção a cada uma das artistas a seguir, afinal 8 de março não é uma data para flores e chocolates apenas, mas sobretudo para reflexão.

Nina Simone:

nina simone.jpg

Provavelmente você ouviu falar sobre a Nina nos últimos meses, seja por conta do documentário na Netflix (What Happened, Miss Simone? / 2015) ou mais recentemente pelas polêmicas do filme biográfico “Nina” dirigido por Robert L. Johnson. Para alguém ser tão homenageada assim – ainda que essa homenagem falhe né, Robert? – só poder ser por uma boa razão.

Nascida Eunice Wayomon em 1933, Nina Simone é um dos grandes nomes do Jazz. Sucesso na década de 60, em que os movimentos pelos direitos civis eram fortes nos EUA, ela usou sua música para apoiar o movimento negro dali, afinal, como ela mesma dizia, não há como ser artista sem refletir seu tempo.

Nina foi uma artista que conheceu os dois lados da moeda da fama: foi do sucesso ao esquecimento. Teve sua trajetória marcada por situações conturbadas, tanto dentro como fora de casa. Dentro, foi vítima de violência doméstica. Já fora, tinha o racismo como empecilho. Foi no palco onde ela encontrou a liberdade que lhe era negada nos outros espaços.

Sendo assim, é importante que ela seja relembrada, pois ainda que a muito custo, Nina Simone foi capaz de romper barreiras. Continuar lendo

1

#distrair4: Playlist Girl Power!

Oi, tudo bem com você? Espero que sim!

playlist girl power maia vox promo.png

Nessa manhã de segunda (22/02/16), um dos Trending Topics do Twitter, categoria que reuni os assuntos mais comentados dessa rede social, era o #SouFeministaPq (Sou Feminista Porque).

Entre comentários retrógrados, sem criatividade e que tentavam deslegitimar o movimento – como “falta de lavar louça”, reunião de mulheres “feias”, que sofrem pela“falta de homem”  – a maioria contava o momento em que pessoas, sobretudo mulheres, reconheceram as desigualdades criadas pelo machismo e o porquê de terem começado a lutar pela igualdade de sexos.

Hashtags como a de hoje provam que a sociedade em geral está mais ciente da estrutura de opressões criada pelo machismo e que não mais se calará perante ela, ainda que nem todxs se identifiquem como feministas.

Além disso, independente da vertente do movimento, seja ela liberal, interseccional ou radical, o que realmente importa é que tabus e papéis de gênero são atualmente discutidos em todos os cantos e por se dar nome aos bois às formas de opressão naturalizadas, é possível ter melhores mecanismos contra as agressões de um sistema sexista.

Clique aqui para ler mais sobre “feminismo” no Maia Vox!

Por eu acreditar nessa luta, a playlist de hoje foi especialmente feita para começar a semana com muito, mas muito poder. Dá o play!

Porque respeito é bom e todo mundo gosta:

“Minha força não é bruta/ Não sou freira, nem sou puta…”

“Faço o que eu quero, vivo como eu quero viver…”

Não, é não parsa!

“Deixa ela, deixa! / Ser livre, seguir sem se importar…”

“Feminista – quem acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos” – Chimamanda Adichie

E aí, curtiu a playlist?Você se considera feminista? Por que? Deixe nos comentários! Não esqueça de acompanhar o blog pelas redes sociais! Um abraço e até quarta-feira! 😉

                FACEBOOK| INSTAGRAM | INSTAGRAM 
                 TWITTER | PINTEREST | YOUTUBE 

quem sou mari gomes autor

 

4

#distrair1: Playlist as 6 canções preferidas de 2015!

Oooi gente! Tudo certo com vocês? Espero que sim!

Hoje temos o primeiro post da nova proposta do blog!!! Estou muito animada e mesmo sendo uma segunda-feira, vai soar como uma festa. Para tanto só podia ser dia de playlist!

Ah, tá um pouco desnorteado sem saber das novidades ainda? Calma que tem um post explicando cada detalhe da transformação do blog. Clique aqui para ver!  Mas se você aí já sabe das novidades e tá louco por música boa, simbora!

Reuni na playlist de hoje as 6 canções que mais gostei em 2015 e que merecem ficar na cabeça e no coração por muito mais tempo. Tem rock nacional, revelação do ano e um pouco de rap e soul <3.

A lista a seguir está ordenada pela data de lançamento das obras.

Classic Man – Jidenna:

De terno e gravata, Jidenna com certeza é a personificação do homem clássico. Elegante no visual e encantador nas letras, ele traz um novo jeito de fazer hip hop, o qual chama de “Swank”. Nem a batida ou a essência da discussão do hip hop são deixadas de lado por sua música com temas bastante atuais. Em “Classic Man”, por exemplo, ele discute claramente violência policial contra a juventude negra (no clipe) e não objetifica as mulheres ao seu redor (The ladies on my elbow ain’t for the show/Every madame on my team is a top general — As mulheres no meu braço não são para o show/Cada madame no meu time é uma general) ao mesmo tempo de um ritmo viciante.

Continuar lendo