0

#distrair14: 3 filmes pra ver antes do Oscar!

Oi, gente! Tudo bem com vocês? Eu espero que sim!

O Oscar, a premiação mais badalada do mundo do cinema está prestes a ocorrer. Depois da polêmica #OscarSoWhite na última edição, o processo de votação do Oscar foi alterado para promover mais diversidade entre as produções indicadas e os votantes. A cerimônia ocorrerá no dia 26 de fevereiro.

Já que a intenção da categoria #distrair aqui no blog é de também mostrar a produção de artistas negros, separei três filmes com protagonistas negrxs indicados no Oscar deste ano. Prepare o balde de pipoca e conheça as indicações a seguir!

Estrelas Além do Tempo:

hiddenfigs-hersource.jpg

Mary Jackson (Janelle Monáe), Katheirne Johnson (Taraji P. Henson) e Dorothy Vaughn (Octavia Spencer). Imagem: Reprodução.

O filme resgata a história de cientistas negras da Nasa, que apesar de suas habilidades e contribuições, eram colocadas de lado pela segregação racial. Passado nos anos 60, durante a corrida espacial da Guerra Fria e o Movimento dos Direitos Civis nos Estados Unidos, Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer), Mary Jackson (Janelle Monáe) e outras cientistas negras tinham que lutar diariamente contra o racismo e o machismo.

Em janeiro deste ano, a atriz Octavia Spencer  (Histórias Cruzadas) comprou uma sessão inteira do filme para que famílias de baixa renda, sobretudo crianças, pudessem conhecer a história dessas cientistas. No mês em que é celebrado a história afro-americana nos Estados Unidos (Fevereiro), Estrelas Além do Tempo se revelou como um sucesso de bilheteria, à frente até do aclamado musical La La Land. No Brasil o filme estreou dia 2 de fevereiro.

Concorre a: Melhor Filme, Melhor Atriz Coadjuvante (Octavia Spencer), Melhor Roteiro Adaptado. Fonte: Cineclick.

 #distrair5: Por que EMPIRE deve ser sua nova série!

Moonlight – Sob a luz do luar:

moonlight-a24-poster

Imagem: Reprodução.

Acompanhamos a história de Black (Trevante Rhodes) trilha uma jornada de autoconhecimento enquanto tenta escapar do caminho fácil da criminalidade e do mundo das drogas de Miami. Encontrando amor em locais surpreendentes, ele sonha com um futuro maravilhoso. Fonte: Adoro Cinema.

As dificuldades de um jovem negro periférico podem ser encontrada em  outros filmes, como Dope – um deslize perigoso (confira a resenha aqui no blog), entretanto Moonlight vem sendo apontada em críticas como uma obra de arte pioneira nessa temática. Além de tratar das descobertas da sexualidade do personagem principal, o que nem sempre aparece em filmes semelhante, Moonlight se mostra como uma  “obra genialmente bela, tocante e verdadeira”, assim descrita na crítica do Portal It Pop, alcançando o que todos nós sentimos na jornada de autoconhecimento.

Concorre a: Melhor Filme, Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali), Melhor Atriz Coadjuvante (Naomie Harris), Melhor Diretor (Barry Jenkins), Melhor Edição, Melhor Fotografia, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Trilha-Sonora. Fonte: Cineclick

#empoderar12: 6 mulheres negras da nossa história: Aqualtune, Dandara, Tereza de Benguela, Luíza Mahin, Carolina Maria de Jesus e Lélia Gonzalez.

Fences – Um Limite Entre Nós:

share

Imagem: Reprodução.

Inspirado na peça teatral de mesmo nome do dramaturgo August Wilson (1983), o longa-metragem conta a história de um promissor jogador de baseball (Denzel Washington), que trabalha como coletor de lixo na década de 1950, em Pittsburgh, e tem um relacionamento complicado com sua esposa (Viola Davis) e filhos.

Concorre a: Melhor Filme, Melhor Ator (Denzel Washington), Melhor Atriz Coadjuvante (Viola Davis), Melhor Roteiro Adaptado. Fonte: Cineclick.

#distrair3: 5 motivos para assistir How To Get Away With Murder

+Oscar:

As coisas ficaram estranhas durante as reações ao monólogo de Chris Rock no Oscar 2016 | Buzzfeed

Por que no Brasil “Hidden Figures” foi traduzido como “Estrelas Além do Tempo”? | Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades

Quais outros filmes você indica para assistir antes da premiação? Deixe sua opinião nos comentários! Gostou das indicações do post? Então, compartilhe com sua turma. Dá até para fazer maratona juntxs!

FACEBOOK| INSTAGRAM | INSTAGRAM

TWITTER | PINTEREST | YOUTUBE

Acompanhe o Maia Vox pelas redes sociais e não perca nenhuma novidade por aqui! Até mais! 😉

mari-gomes-2017

0

Playlist da vez: Nico&Vinz, Jake Bugg, Janelle Monaé…!

Olá gente! Como andou a semana de vocês? Gostaram do último post? 😉

Depois de muito pensar e mesmo sabendo que vocês devem estar com saudades de posts sobre moda e afins, resolvi mostrar hoje uma playlist. Primeiro, porque os sons da vez são maravilhosos e por isso não poderiam ser mais adiados. Segundo, porque hoje ainda é fim de semana e precisamos agitar as coisas! Então vamos aproveitar que no fim do post tenho uma surpresa para vocês fashionistas! 😉

Am I Wrong – Nico & Vinz

On Our Way – The Royal Concept

There’s A Beast And We All Feed It – Jake Bugg

Electric Lady – Janelle Monaé

Aos Olhos De Uma Criança – Emicida

Ducks In A Pond – Tiago Iorc

Justamente por saber o quanto amam ideias de looks, montei alguns novos lá no fashiolista (maiavox)! Vai que sua inspiração de hoje não sai de lá? 😉

Por hoje é isso, gente! O próximo post será sobre moda e talvez, a depender dos meus afazeres na semana, poderei adiar. Beijão e até mais! 😉

Acompanhe o blog também pelas redes sociais!

FACEBOOK • TWITTER YOUTUBE • PINTEREST • FASHIOLISTA

14

Transição capilar: 6 meses e identidade que se revela!

Hey, pessoal! Hoje eu vim aqui continuar com a série de postagens “Transição Capilar” (confira aqui os outros posts! 😉 ). Desde a última conversa com vocês muita coisa aconteceu e agora é momento de contar.

6 meses de transição maia vox

Bem, como o título já indica, minha transição completou seis meses! Num piscar de olhos já é meio de 2014 e nesse tempo pude acumular muita coisa boa com esse processo de transição. Mas algo precisa ser dito: Não foi fácil chegar aqui. Não é. Eu, pelo menos, não sofri nenhuma recaída com alisantes dessa vez, nem mesmo toquei na chapinha, mas isso não diz o quão complicado é enfrentar esse período de luta constante com a sociedade e, principalmente, de forte guerra interna.

Acho que entre o quarto e o quinto mês tive a época mais estressante da minha transição. Aquela euforia do início tinha se acalmado e outras situações surgiram. A dessa hora em especial era uma mistura de preguiça e desmotivação. Eu não queria mais saber de texturizar o cabelo com coquinhos todas às noites e a ansiedade de fazer o Big Chop (Grande Corte) latejava na mente. Mas dia vai, dia vem, notei que eu estava perdendo o controle sobre o motivo de ter começado a transição. Parei, pensei e vi que ainda não estava preparada o suficiente para o Big Chop e que importância da transição mora em aprender aos poucos a lidar com o cabelo natural, inclusive a amá-lo do jeito é, sem falsas expectativas. Porém, mesmo tendo recuperado toda essa significação do processo, ainda sim queria cortar o cabelo. Então, numa tarde de fim de semana, uma tesoura e um tiquinho de coragem, o fiz. Foram somente três dedos de cabelo, mas que ao mesmo tempo em que me livraram das pontas duplas me trouxeram um gostinho da liberdade de abandonar a química. Pronto, estava revigorada.

Outra coisa que ocorreu de lá para cá foi eu ter crescido demais em relação a minha identidade de mulher negra. Diante de fatos como a morte da Cláudia, a eleição da Lupita Nyong’o como a mulher mais bela do mundo pela revista People, a polêmica hashtag #somostodosmacacos e o 13 de Abril, eu entendi melhor quem eu sou, minhas lutas na sociedade e venho passando por um intenso processo de desconstrução e construção das ideias.

Além das discussões aqui dentro da minha casa sobre isso, algumas andanças na internet me fizeram e fazem enxergar melhor o preconceito velado no dia-a-dia e conhecer personalidades que me servem de inspiração para alcançar o que sonho apesar das adversidades.

Cacheadas in Love, Blogueiras Negras, Meninas Black Power, Indiretas Crespas, Pollyana Colona, Negahamburguer, Bredha Lima, Chimamanda Adichie, Janelle Monaé e Karol Conká. São apenas alguns nomes de comunidades na rede  e de mulheres negras que com seu trabalho me ajudam e ajudam a outras meninas e meninos negros a se enxergarem como tal e ter orgulho de quem somos no meio de um sistema que tenta embranquecer-nos a todo custo.

Como efeito disso tudo, não posso negar que minhas ações mudem e a partir disso aviso a vocês que com certeza o blog terá sua carga de influência desse meu crescimento. Vocês vão perceber.

Então é isso, galera! Quem aí também tá em transição? Espero muito ter ajudado! Um super abraço! 😉

Fiquem ligadinhos em outras redes sociais do blog!

FACEBOOK • TWITTER YOUTUBE • PINTEREST • FASHIOLISTA

2

Playlist da semana!

Começo de semana merece playlist especial para todos os momentos que estão por vir, então é hora de ouvir e conhecer as músicas que escolhi! 😉

Heroes – David Bowie (Glee Cover)

Locked Out of Heaven – Bruno Mars

Next to me – Emeli Sandé


Cold War – Janelle Monaé 

Live a Little  – Florrie

Cups “When I’m Gone” –  Anna Kendrick

Counting Stars – One Republic 

Curtiram? Até mais! 😉