Galeria
4

Primeiro projeto 6 on 6: Infância!

Hey gente! Eu sei que andei sumida nesses dias, mas finalmente estou de volta e com uma super novidade para vocês! Estou participando de um projeto fotográfico com outras cinco blogueiras, o chamado 6 on 6! 😀

Provavelmente vocês já devem ter visto algum, mas se não, vou explicar como funciona: a cada novo mês, 6 blogueiras postaram 6 fotos – relacionadas a um tema ou não.

Pois bem, para começar esse projeto, escolhemos o tema “Infância”, já que esse mês comemora-se o Dia das Crianças. Então, decidimos fotografar sobre coisas que relembrem a nossa infância.

E com vocês, as minhas memórias de quando eu era pequenina.

6 on 6 (1 ) blog maia vox  desenhos

Esses são alguns desenhos antigos, coisa que eu adorava fazer, principalmente nos fins de semana.

Não sei se perceberam, mas eu adorava pintar árvores, borboletas, passarinhos e, como muitas outras crianças, dois morrinhos com o Sol entre eles.

6 on 6 (1 ) blog maia vox  livros

Meus livros preferidos.

O primeiro livro da sequência foi um dos primeiros que eu tive. Nele se contava a história de uma ratinha que aprendia a organizar e guardar as coisas e assim nunca perdia nada, inclusive o dinheiro que tinha para comprar sorvete kkk. Hoje ele está meio acabado, mas antigamente vinha com um cofre acoplado ao livro, que tocava música toda vez que uma nova moeda chegava. Eu simplesmente o amava!

6 on 6 (1 ) blog maia vox bolsa

Levava essa bolsa para tudo que era lugar.

Ganhei ela ainda muito novinha e era uma das coisas que não largava quando saia. Além dela, tinha uma camponesinha ruiva, que infelizmente não está comigo por esses dias para eu mostrar aqui. :/

6 on 6 (1 ) blog maia vox  boneca amiguinha

Quem aí também já teve uma boneca amiguinha? \o/

Quantas horas passei brincando com essa boneca? E quem aí não brincou com uma dessas também? Nunca teve nome, porque eu realmente não era muito boa de lembrar depois e por fim inventava outro a cada vez, mas sei que vivia ao lado dela. Qual o brinquedo que vocês mais gostavam?

6 on 6 (1 ) blog maia vox  cidade 1

Uma tarde de lembranças.

Nesse fim de semana, dei um passada na cidade em que vivi quando pequena e esse foi o motivo de ter sumido nos últimos dias. Fiquei muito feliz e não pudia deixar de tirar foto de um lugar que me marcou tanto, né!? O resultado disso foram essa foto acima e o pôr-do-sol (minha favorita) abaixo.

6 on 6 (1 ) blog maia vox  por do sol

Para fechar com chave de ouro.

E então meninos e meninas, quais foram as passagens mais memoráveis da infância de vocês? Se identificaram com alguma das fotos? Estou ansiosa em saber! Beijocas e até a próxima! 😉

1

Xô baixa estisma!

De vez quando bate à porta uma insegurança, uma tristeza e uma angústia sem avisar e faz o nosso dia parecer muito chato e ruim, mesmo que o céu esteja azul e iluminado, que te elogiem. Por conta dessas situações em que a gente está meio para baixo eu fiz uma listinha com coisas boas de se lembrar nessas horas! Vamos lá!?

  1. Não sei vocês, mas nesses momentos eu corro para escutar música e uma coisa que eu aprendi foi que escutar canções deprê não vão ajudar em nada. Eu sei que a gente não escolhe uma canção animadona e dançante, que os ritmos calmos sempre vem, mas buscar aquelas letras que te mostrem o bom da vida é o que faz a diferença.

    large (7)

    “Ouça música nos dias chuvosos.”

  2. Não tenha medo de chorar. É bom pensar sobre o que o te fez ficar tão mal, derramar umas lágrimas, mas sem exagerar e prender-se muito a isso. Ao invés disso procure enxergar suas qualidades, quem gosta de você, as coisas que mais gosta de fazer, pois esses pequenos detalhes é que tornam o ritmo mais leve e fazem você se sentir mais segura.

    large (8)

    “Todo mundo quer felicidade, ninguém quer dor, mas você não pode ter um arco-íris sem uma chuva.” 😉

  3. Ligue para o/a seu/sua BFF e não tenha vergonha de contar tudo o que você está sentindo, afinal vocês podem contar sempre um com o outro, tanto na alegria quanto na tristeza.large (10)
  4. Tire um tempo para cuidar de você. Esqueça um pouco seus compromissos, porque não adianta viver só por eles e não relaxar de vez em quando, “como não houvesse amanhã…”.large (11)
  5. Sorria!!! Bem, eu já me peguei bastante vezes com o rosto meio fechado, chatiado e sem alegria, então eu me ponho a levantar o sorriso, me divertir e dar boas gargalhadas com meus amigos. Demorou um pouquinho para eu colocar na cabeça que um sorriso muda o dia, mas depois de aprender eu realmente vejo as coisas com outros olhos. So, smile, baby and be yourself!large (12)

Então gente, é isso por hoje! Eu realmente espero que esse post possa fazer vocês mais felizes, porque só de eu ter parado para escreve-ló já me senti de bem com a vida! Beijocas e até a próxima! Ah, e a Carol postará muitíssimo em breve! 😉

0

Está na hora de parar de fingir o que nós já somos!

É comecinho de mês, mas o outro mês ainda está aqui, pelo menos em parte e comigo. Não sou de postar textos como o de hoje, mas eu senti aquela necessidade de compartilhar o que aprendi com vocês e então D. Coragem me impulsionou a escrever. Espero que gostem, porque fui muito verdadeira nas palavras! 😉

O que eu aprendi nesse último mês? Aprendi o quão importante é sentir-me bem comigo mesma e que para isso acontecer eu apenas tenho que aproveitar a hora.

Quando pequena, me disseram que sábio é aquele que aprende com o erro dos outros. Por conta disso, todos esses anos venho me privando de certos momentos com a sensação de que se errar vou desapontar alguém ou cometerei um erro sem tamanho, sabe? Como se as fadas morressem ao eu dizer que elas não passam de crença. É verdade que em algumas situações só de ver o ato do outro já é válida a lição, mas em outras muitas vezes a experiência do incerto apresenta tanta coisa que não dá para perceber somente assistindo às atitudes do vizinho.

Depois de eu realmente captar a essência desse pensamento notei que colocá-lo em prática pode começar com a escolha de um sabor de sorvete diferente, vestindo uma roupa inédita para mim, escutando e dançando músicas que eu desconhecia ou julgava brega, enfim. Indo em direção ao clichê – até por repetir esse preparativo para não ser démodé – detalhes tão pequenos ao exemplo dos que citei são o que no fim fazem a diferença, principalmente para nos aceitar do jeitinho que somos.

Está na hora de parar de fingir o que você já é, o que nós já somos – já canta Marcelo Camelo. Olhe ao seu redor, respire fundo e tenha a coragem de dar um passo para uma nova direção e caso veja que a trilha escolhida não parece a melhor ou surja uma pedra bem no meio do caminho, buscar outra rota com certeza não será “o” problema.

E foi isso que o mês de julho trouxe para mim.

É isso por enquanto, galera! O que acharam desse meu texto??? :3 Até mais!