0

#distrair14: 3 filmes pra ver antes do Oscar!

Oi, gente! Tudo bem com vocês? Eu espero que sim!

O Oscar, a premiação mais badalada do mundo do cinema está prestes a ocorrer. Depois da polêmica #OscarSoWhite na última edição, o processo de votação do Oscar foi alterado para promover mais diversidade entre as produções indicadas e os votantes. A cerimônia ocorrerá no dia 26 de fevereiro.

Já que a intenção da categoria #distrair aqui no blog é de também mostrar a produção de artistas negros, separei três filmes com protagonistas negrxs indicados no Oscar deste ano. Prepare o balde de pipoca e conheça as indicações a seguir!

Estrelas Além do Tempo:

hiddenfigs-hersource.jpg

Mary Jackson (Janelle Monáe), Katheirne Johnson (Taraji P. Henson) e Dorothy Vaughn (Octavia Spencer). Imagem: Reprodução.

O filme resgata a história de cientistas negras da Nasa, que apesar de suas habilidades e contribuições, eram colocadas de lado pela segregação racial. Passado nos anos 60, durante a corrida espacial da Guerra Fria e o Movimento dos Direitos Civis nos Estados Unidos, Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer), Mary Jackson (Janelle Monáe) e outras cientistas negras tinham que lutar diariamente contra o racismo e o machismo.

Em janeiro deste ano, a atriz Octavia Spencer  (Histórias Cruzadas) comprou uma sessão inteira do filme para que famílias de baixa renda, sobretudo crianças, pudessem conhecer a história dessas cientistas. No mês em que é celebrado a história afro-americana nos Estados Unidos (Fevereiro), Estrelas Além do Tempo se revelou como um sucesso de bilheteria, à frente até do aclamado musical La La Land. No Brasil o filme estreou dia 2 de fevereiro.

Concorre a: Melhor Filme, Melhor Atriz Coadjuvante (Octavia Spencer), Melhor Roteiro Adaptado. Fonte: Cineclick.

 #distrair5: Por que EMPIRE deve ser sua nova série!

Moonlight – Sob a luz do luar:

moonlight-a24-poster

Imagem: Reprodução.

Acompanhamos a história de Black (Trevante Rhodes) trilha uma jornada de autoconhecimento enquanto tenta escapar do caminho fácil da criminalidade e do mundo das drogas de Miami. Encontrando amor em locais surpreendentes, ele sonha com um futuro maravilhoso. Fonte: Adoro Cinema.

As dificuldades de um jovem negro periférico podem ser encontrada em  outros filmes, como Dope – um deslize perigoso (confira a resenha aqui no blog), entretanto Moonlight vem sendo apontada em críticas como uma obra de arte pioneira nessa temática. Além de tratar das descobertas da sexualidade do personagem principal, o que nem sempre aparece em filmes semelhante, Moonlight se mostra como uma  “obra genialmente bela, tocante e verdadeira”, assim descrita na crítica do Portal It Pop, alcançando o que todos nós sentimos na jornada de autoconhecimento.

Concorre a: Melhor Filme, Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali), Melhor Atriz Coadjuvante (Naomie Harris), Melhor Diretor (Barry Jenkins), Melhor Edição, Melhor Fotografia, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Trilha-Sonora. Fonte: Cineclick

#empoderar12: 6 mulheres negras da nossa história: Aqualtune, Dandara, Tereza de Benguela, Luíza Mahin, Carolina Maria de Jesus e Lélia Gonzalez.

Fences – Um Limite Entre Nós:

share

Imagem: Reprodução.

Inspirado na peça teatral de mesmo nome do dramaturgo August Wilson (1983), o longa-metragem conta a história de um promissor jogador de baseball (Denzel Washington), que trabalha como coletor de lixo na década de 1950, em Pittsburgh, e tem um relacionamento complicado com sua esposa (Viola Davis) e filhos.

Concorre a: Melhor Filme, Melhor Ator (Denzel Washington), Melhor Atriz Coadjuvante (Viola Davis), Melhor Roteiro Adaptado. Fonte: Cineclick.

#distrair3: 5 motivos para assistir How To Get Away With Murder

+Oscar:

As coisas ficaram estranhas durante as reações ao monólogo de Chris Rock no Oscar 2016 | Buzzfeed

Por que no Brasil “Hidden Figures” foi traduzido como “Estrelas Além do Tempo”? | Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades

Quais outros filmes você indica para assistir antes da premiação? Deixe sua opinião nos comentários! Gostou das indicações do post? Então, compartilhe com sua turma. Dá até para fazer maratona juntxs!

FACEBOOK| INSTAGRAM | INSTAGRAM

TWITTER | PINTEREST | YOUTUBE

Acompanhe o Maia Vox pelas redes sociais e não perca nenhuma novidade por aqui! Até mais! 😉

mari-gomes-2017

Anúncios
3

#celebrar2: Beyoncé, AFROntamento e Representatividade!

Oi, tudo bem com você? Espero que sim!!!

No dia 06/02, a Beyoncé derrubou todos os forninhos possíveis lançando um videoclipe surpresa.  Não teve carnaval nenhum que segurasse a euforia causada pela nova canção da texana chamanda “Formation”! E é isso que celebraremos aqui hoje! Mas antes de continuar o texto, vamos assistir o clipe. Aperta logo esse play!

Há seis dias, o primeiro single desde o último trabalho da Beyoncé em 2014 foi colocado no ar sem avisos prévios e, por consequência, enlouqueceu a internet. Porém, mais que as coreografias e o ritmo contagiante, marcas registradas da cantora, “Formation” causou euforia dentro e fora da internet por não ser feita só para dançar.

Tanto a letra, quanto o videoclipe da canção carregam referências da história e identidade da comunidade negra nos EUA. De uma só vez, Beyoncé falou sobre violência policial, de suas origens, valorizou a estética negra e homenageou aos Panteras Negras* e a Michael Jackson*. E isso num momento muito oportuno, visto que Fevereiro é o Black History Month (mês da história negra) por lá. Continuar lendo